Primeiro Encontro Mundial sobre Agroecologia e Sementes Camponesas

Declaração de Surin

6 a 12 de Novembro de 2012
quarta-feira 13 de fevereiro de 2013 por LRAN

Surin, Tailândia.

Os delegados da Via Campesina Internacional, que representam as organizações membro regionais, encontram-se em Surin, província de Tailândia, na Asia, para o primeiro encontro global sobre agroecologia e sementes. O principal objetivo é, para a Via Campesina, trocar experiências e construir uma estratégia e uma visão sobre agroecologia e sementes, e o entendimento holístico que ambos fazem parte da luta parra atingir a soberania alimentar.

Para esta reunião, foi escolhida a Tailândia porque neste pais há uma evolução crescente por parte dos pequenos camponeses para passar da revolução verde, baseada no modelo da agricultura industrial, para a agroecologia. A presença dos delegados internacionais vai apoiar o desenvolvimento dos camponeses agrogeológicos na Tailândia, que declara que “a sobrevivência dos pequenos camponeses e a sobrevivência da sociedade!”. Os delegados que participam neste encontro aprendem muito com esta experiencia sobre como reforçar a agroecologia camponesa.

Após a partilha da experiência e dos pensamentos dos delegados e o debate sobre os desafios, estamos convencidos que a agroecologia e a pedra angular da soberania alimentar.

Não poderemos atingir a soberania alimentar se a agricultura depender dos insumos controlados pelas corporações, se o impacto da tecnologia destruir a Mãe Terra, se não desafiarmos a comercialização e a especulação sobre a alimentação e a terra, e se não assegurarmos melhores níveis de vida para quem disponibiliza as nossas comunidades alimentação saudável e acessível.

Há uma infinidade de nomes para agricultura agroecologia pelo mundo inteiro e a Via Campesina não esta preocupada por nomes nem rótulos, quer se trate de agroecologia, de agricultura orgânica, de agricultura natural, de agricultura sustentável com poucos insumos externos, ou outros, mas prefere especificar os princípios ecológicos, sociais e políticos chave que o movimento defende. Para a Via Campesina a verdadeira agricultura sustentável do camponês parte da recuperação dos métodos de agricultura tradicional dos camponeses a introdução de novas práticas ecológicas, o controlo e defesa dos territórios e sementes, e não esquecendo a igualdade social e do género. E nos damos as boas vindas aos agricultores convencionais par se aproximarem do nosso movimento.

E claro par nos que o sistema feudal de posse de territorial não pode ser considerado agrogeológico embora não usem produtos químicos. Uma quinta que é controlada só por homens sem a participação nas decisões feita por mulheres ou se em geral o trabalho da mulher, também não é agrogeológico. A agricultura orgânica que substitui insumos químicos caros por insumos orgânicos igualmente caros sem alterar a estrutura do monocultivo não é agrogeológica, mesmo quando com os programas “orgânicos” neoliberais (como por exemplo o programa de "India Organics") o que nos repudiamos vigorosamente

A experiência vivida, e uma prática como reflexões da Via Campesina pelo menos nos últimos quatro anos, mostraram que a agroecologia é uma parte estratégica para a construção da soberania popular e alimentar.

Compreendemos também que é a própria agroecologia uma parte Integrante da resposta às crises e aos grandes desafios globais como que a humanidade enfrenta.

Em primeiro lugar, a agricultura de pequena escala pode alimentar, e está alimentando a humanidade e pode mesmo enfrentar a crise alimentar através da agroecologia e da diversidade. Apesar do equívoco comum que os sistemas são mais produtivas do agronegócio, nós agora sabemos que os sistemas agrogeológicos podem produzir muito mais alimentos por hectare do que qualquer outra monocultura. Ao fazer alimentos mais saudáveis, mais nutritivos, e mais acessíveis diretamente aos consumidores

Em segundo lugar, a agroecologia ajuda a enfrentar a crise ambiental. Agricultura camponesa com agroecologia e diversidade arrefece a terra, mantendo o carbono no solo e o fornecimento de mão de obra a agricultores familiares, com os recursos para resistir às alterações climáticas e os desastres naturais cada vez maiores. Agroecologia muda a energia dependente de petróleo e agricultura matriz, uma parte principal das mudanças sistémicas necessárias para impedir as emissões.

Terceiro, agroecologia suporta o bem comum e coletivo. Enquanto isso cria as condições para melhores condições de vida para a população rural e urbana, agroecologia, como um pilar de alimentos e soberania popular, estabelece que a terra, água, sementes e conhecimento são valorizadas e permanecer como um patrimônio dos povos a serviço da humanidade.

Através agroecologia que irá transformar o modelo de produção hegemônico alimentar; permitindo a recuperação do ecossistema agrícola, restabelecendo o funcionamento do metabolismo natureza sociedade, e colheita dos produtos para alimentar a humanidade. Como os agricultores filipinos dizer "Kabuhanan, Kalusugan, Kalikasan" (para a economia, para a saúde e para a natureza).

Para nós, como camponeses e agricultores familiares, a agroecologia é também um instrumento para enfrentar o agronegócio transnacional e do modelo agro-exportação predominante. Nós não vamos libertar os agricultores a partir da estrutura de opressão construída pelas corporações, a menos que nós ganhamos autonomia tecnológica e econômica dos atuais formas de capital agrário e financeiro. Além disso, dentro do contexto de trabalhadores rurais e outros trabalhadores agrícolas, como no caso dos EUA, se não recuperar essa força de trabalho que vem sendo escravizada pelo capital. Portanto, a agroecologia é uma parte essencial da construção da justiça social num novo sistema social igualitário, que não dominado pelo capital.

Agroecologia dá um novo significado para a luta pela reforma agrária para capacitar as pessoas. Os agricultores sem terra que lutaram para recuperar de volta a sua terra e aqueles que receberam terras por meio de programas de reforma agrária, no Brasil e no Zimbábue, está implementanda a agroecologia como uma ferramenta para defender e sustentar a sua agricultura, não só para suas famílias, mas também para oferecer alimentos mais saudáveis ​​para a comunidade. Por isso, a reforma agrária, juntamente com a agroecologia, tornou-se a contribuição dos camponeses e da família para dar comida melhor e mais saudável para os povos das nossas sociedades. Na Argentina nós estamos atrás esta afirmação dizemos" (nós somos a terra, para alimentar os povos).

Agricultores nosso colega da Índia contaram-nos que houve mais de 275 mil suicídios de agricultores desde 1995 por causa da armadilha da dívida devido à dependência de entrada industrial. Felizmente, o método novo movimento de agroecologia tem permitido aos agricultores a encontrar uma luz de esperança entre as trevas, incentivando milhares de famílias a permanecer em suas aldeias e manter-se no cultivo de alimentos com melhores condições de vida. Este movimento de Orçamento Zero de Agricultura Natural deu a vida de volta para as áreas rurais na Índia.

Na Europa, a crise económica e financeira também está dando evidência do potencial da agroecologia como uma proposta do movimento camponês à sociedade pela re-localizar os mercados e a tornar os alimentos disponíveis com uma dependência muito menor em combustíveis fósseis, dando um novo dinamismo às economias locais, e à criação de emprego para os desempregados que estão voltando para o campo, como no caso da Europa de Leste. Reforma agrária e de regulação do mercado para a soberania alimentar através da agroecologia é também uma solução para e os agricultores norte-americanos que sofrem de preços baixos devido à concorrência com as importações baratas.

Os camponeses e pequenos agricultores do Mali, como no resto da África, que foram durante anos sob o ataque de AGRA (Aliança para uma Revolução Verde na África) para empurrar a introdução da revolução verde estão mostrando como seu próprios modelos indígenas ecológicos de produção estão a apoiar o alimento e sustento de milhões de pessoas, e enfrentar a transformação climatérica, sem quaisquer insumos externos, através da gestão soberana e partilha da agrobiodiversidade local e do conhecimento.

Agroecologia é também uma alternativa para a juventude rural permanecer no campo e ter uma vida digna, assim ficar comprometida com a produção e distribuição de alimentos para a comunidade. Estes são os cidadãos que vão alimentar as futuras gerações.

Durante 20 anos a Via Campesina lutou arduamente para a Reforma Agrária, e, neste momento histórico, precisa de refletir sobre sua prática para qualificá-la. Como brasileiros trabalhadores sem terra gritam "Ocupar, Resistir, Produzir", Os camponeses de todo o mundo já estão lutando pela terra, resistindo para defendê-la, e agora, nós definimos que a agricultura agroecológica irá alimentar o povo. É hora de produzir.

Surin, 11 de novembro de 2012.


Página inicial | Contato | Mapa do site | | icone statistiques visites | info visites 953911

Acompanhar a vida do site pt_br  Acompanhar a vida do site AÇÃO TERRA  Acompanhar a vida do site Movimentos Socias   ?

Site realizado com SPIP 3.0.20 + AHUNTSIC

Creative Commons License