Página inicial > AÇÃO TERRA > Reforma Agrária > Na sombra da imaginação

A recamponesação no Brasil

Na sombra da imaginação

Horacio Martins de Carvalho, (Curitiba, maio de 2010)

terça-feira 1º de junho de 2010, por LRAN

"(...) Mesmo que o espírito esteja calmo,

não deixe o corpo relaxar;

mas quando o corpo estiver relaxado,

não amoleça o espírito."

(Miyamoto Musashi)

Camponeses: uma reminiscência ou uma promessa?

Talvez nenhuma das duas, nem saudosismo nem profetismo, ou as duas e outra mais: uma realidade camponesa atual que engloba um terço da população do mundo.

Deseje ou não o fundamentalismo neoliberal; suponham ou não os cientistas sociais que se debruçam sobre o agrário; incomodem mais ou menos os setores da esquerda que se apóiam na profecia política da superação dialética dos camponeses pela expansão da empresa capitalistas no campo e a correspondente criação de um proletariado rural; queiram ou não as confissões religiosas que se consagram à misericórdia vendo ou idealizando apenasmente um campesinato pobre e resignado, sonham ou repudiem os românticos das classes médias urbanas com o viver bucólico e de outrora; enfim, a maior parte de nós, e eu no amontoado desse ’nós’, de um jeito menos implícito ou mais assumido, vacila sobre as possibilidades de persistência do campesinato num futuro próximo no âmbito das formações econômicas e sociais capitalistas contemporâneas. Essas variadas percepções, tais vontades e desejos, as profecias e tendências, as explicações que se supõem científicas, as leituras miméticas do que se vê e viu nos paises europeus, e a usual e performática análise da conjuntura nacional podem nos induzir a crer (crença na ciência e na superstição, mas crença) que o campesinato brasileiro deve (ria) estar com os dias contados.

Descargar